Autopublicação? Por que eu devo considerar

Em tempos de crise, se você sonha em ser escritor, está mais do que na hora de pensar em soluções alternativas ao mercado editorial tradicional.

Não é, nem nunca foi, fácil publicar livros. A publicação exige uma aprovação prévia da editora, que precisa se interessar por seu trabalho e acreditar que você é capaz de vender. Em outras palavras, se você não é famoso ou gosta de arriscar em temas e gêneros menos explorados, pode esquecer.

Uma alternativa às publicações tradicionais

Por que depender de um mercado editorial tão fechado, com fins altamente lucrativos, se há uma porta aberta esperando você entrar? Os ebooks, famosos livros digitais e facilitadores da autopublicação, vieram para ficar. Menos árvores derrubadas, menos peso para carregar, menos dinheiro gasto.

Claro, existem muitos puristas e saudosistas por aí que se arrepiam só de pensar em livros digitais. Segundo eles, nada substitui um bom amontoado de papéis nas mãos. Bem, a realidade se mostra um pouco diferente.

A praticidade dos livros digitais os tornam a solução perfeita para diversos públicos diferentes, como universitários que precisam ler mais textos do que é possível carregar, por exemplo.

Pode-se dizer que a maior crítica dos puristas é movida pelo medo de seus queridos livros impressos serem extintos do mercado. Não se preocupem, isso não vai acontecer.

Na contramão da autopublicação, também existem alguns editores que temem perder espaço no mercado. Isso não necessariamente precisa acontecer desse jeito. Nós, da Bibliomundi, por exemplo, buscamos estabelecer parcerias com editoras de peso para expandir o espaço dos nossos autores no mercado.

A autopublicação permite que você explore temas e gêneros que fogem das apostas de grandes editoras. Permite que você aposta em si mesmo como autor, com ou sem fama. No mundo de possibilidades da escrita, convenhamos que é muito limitador buscar apenas as fontes de lucro garantido.

De fato, a ideia de ter seu livro publicado por uma editora de renome é muito sedutora. Aspirantes a escritores podem passar horas imaginando suas sessões de autógrafo, discussões com leitores e as deliciosas edições impressas de luxo.

No entanto, é importante entender que as publicações de peso nem sempre vêm das fontes imaginadas. Basta pensar em todos os autores subversivos que existiram ao longo dos anos. Nem sempre aquilo que precisa ser dito, escrito e divulgado é feito pelos maiores canais.

A realidade é outra. Se falta espaço para autores iniciantes, imagine aqueles que pertencem à minorias.

Você sabia, por exemplo, que o manuscrito de Harry Potter, da autora J.K. Rowling, agora bilionária, só foi aprovado após a autora substituir seu primeiro nome “Joanne Kathleen” pelas iniciais “J.K.”? A insinuação é de que as editoras só aprovaram o trabalho quando o seu nome não parecia pertencer a uma mulher.

Esperar a atenção das editoras é contar com a sorte e depois ainda correr o risco de ter o seu trabalho completamente alterado. Há o lado positivo de contar com uma equipe profissional e experiente (ao menos é o que se espera), mas essa equipe nem sempre dirá aquilo que você quer ouvir.

E nem sempre fará alterações voltados exclusivamente para o aumento da qualidade da obra. Por vezes, o objetivo será aumentar a rentabilidade. Basta imaginar seu livro como um filme de Hollywood. A sua edição seria o “director’s cut”, a versão do diretor.

As vantagens da autopublicação

A autopublicação não é sinônimo de anonimato, pobreza, nada disso. Muitas vezes, o contrário se mostra verdadeiro. A principal diferença entre a autopublicação e a publicação tradicional é a autonomia e controle que você tem sobre a sua obra.

Ao autopublicar seus próprios livros, você pode editar tudo de acordo com o seu gosto, abordar seus próprios interesses no conteúdo, definir o preço, aproveitar royalties maiores e acompanhar o relatório de vendas atualizado diariamente.

Lembre-se, no entanto, que com grande poder, vem grandes responsabilidades. Você se torna responsável por cada um desses detalhes e deve administrá-los de maneira inteligente para obter bons resultados.

Além disso, para conseguir a melhor edição possível, ainda é aconselhável trabalhar com alguns terceiros. Fazer a capa de seu livro no Paint não é a melhor das ideias, por exemplo.

Com pesquisa e dedicação, nada disso precisa ser um problema. Acreditamos que você é capaz de editar, publicar e divulgar seu próprio livro.

Caso você ainda seja um autor inexperiente e precise adquirir mais confiança no próprio trabalho, conte conosco. Nosso blog é feito para ajudar escritores como você a aperfeiçoarem suas obras para todas as etapas da autopublicação.

2 Comentários

  1. José Gonçalves Dos Santos

    Olá boa tarde:
    Na verdade este livro que acabo de escrever de forma independente “ou seja” não utilizei nenhuma Editora para a publicação está sendo trabalhado em uma gráfica que também é Editora porem sem vínculo para o lançamento ocorrendo tudo por minha conta. Com o título “Como o senhor mudou a minha vida” é a minha primeira obra de muitas que já estou trabalhando.
    Tchê Piazitto
    Escritor romancista, compositor musical, Autor literário e Poeta.
    Abraço!

    Responder
  2. NIVALDO PEREIRA DE MATOS

    SENHORES.
    TENHO CINCO LIVROS E O SONHO DE VÊ-LOS PUBLICADOS, MAS SOU ABSOLUTAMENTE LEIGO NO QUE SE REFERE A COMPUTADORES. TENHO GRANDE DIFICULDADE E NÃO SEI SE CONSEGUIREI PASSAR OS MEUS ESCRITOS. COMPUTADOR EU SÓ USO PARA ESCREVER. VOCÊS PODERIAM ME AJUDAR A RESPEITO?
    PENSO EM PUBLICAR MEUS LIVROS PORQUE ACREDITO QUE SÃO BONS. SÃO ROMANCES QUE EU GOSTARIA DE LER.
    UM ABRAÇO.

    Responder

Deixe uma resposta para NIVALDO PEREIRA DE MATOS Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *