O autor independente e o bem-estar em tempos de pandemia

A pandemia pode não ser uma experiência igual para todos, mas se existe um consenso é que nada tem sido normal nos últimos anos. Diversas experiências inéditas vieram para sacudir nossas vidas. Vivenciamos o isolamento, a falta, a saudade. Conciliamos em um mesmo espaço o estudo, o trabalho, o sono, o lazer. As telas se tornaram ainda mais presentes do que já eram, o que parecia impossível. E vivemos assolados pelo medo da morte e a ansiedade da doença. Não está fácil. Com essas mudanças Leia mais

Não tenha medo de publicar seu livro

Escrita é vulnerabilidade. É colocar a mente ou o coração ou os dois para fora. É libertar de dentro dos confins do eu aquilo que se sente, pensa, imagina. E pode ser muito mais difícil do que falar de forma direta sobre a realidade, o sério, o banal. Existe algo de dentro de nós que colocamos para fora quando escrevemos. A natureza dessa coisa varia muito de cada um. Alguns autores falam de suas ideias e pensamentos. Outros se expressam na poesia. Tem quem crie Leia mais

Escrevendo arcos de redenção

A nossa percepção do que é perdoável ou imperdoável muda muito dependendo do contexto e a quem se refere. Em especial, se são pessoas reais que estão no nosso convívio ou personagens ficcionais. É difícil determinar com exatidão onde está a linha que separa a ficção da realidade (e para cada um, essa linha se encontra em uma posição diferente), mas a verdade é que não é tudo a mesma coisa. Quando se trata de personagens ficcionais, as pessoas se mostram capazes de relevar crimes Leia mais

Exercício de escrita: mudando o ponto de vista

Que leitor aficionado nunca pensou: “e se essa história fosse contada sob outro ponto de vista?”. Entre clássicos e best-sellers, muitos livros adotam uma narrativa focada na perspectiva de apenas uma personagem, o que deixa toda uma outra versão da história livre para a nossa imaginação. Narradores podem ser muito parciais e pouco confiáveis, o que alimenta ainda mais a chama da curiosidade. E se ouvíssemos uma versão diferente dessa história? E se Capitu pudesse nos dizer a verdade sobre sua relação com Bentinho? E Leia mais

Metas de escrita para começar o ano

Semana passada, falamos sobre desejos para o réveillon no campo fantástico da ficção. Agora é hora de arrumar a mesa e falar do que interessa na vida real: que metas você estabeleceu para a autopublicação de livros em 2022? Sabemos que, nos últimos dois anos, tem sido muito difícil pensar no futuro. Até mesmo o presente tem sido difícil de conciliar. Não vivemos o que queríamos viver, nem tudo está em nossas mãos. Nossas escolhas não determinam tudo. É verdade. Mas sempre existe alguma coisa Leia mais

Inspiração: quando o ano virar, seu desejo se tornará realidade

Adeus, ano velho. Feliz ano novo! Vivemos agora um novo ciclo, cheio de incertezas e expectativas. É a nossa tradição fazer uma lista de resoluções para o ano que vem, dar finitude aos ciclos do passado, pular as ondinhas do mar, nos vestir de branco, fazer oferendas, sonhar com a realização dos nossos desejos. É a época para grandes limpezas e grandes mudanças. E se tudo o que você desejasse nessa virada pudesse se tornar real? O que você desejaria? Inauguramos o ano de 2022 Leia mais

Personificação: quando objetos inanimados tornam-se personagens carismáticos

O que podemos aprender com a tão amada série de filmes Toy Story? Para as crianças que cresceram acompanhadas pelas presenças carismáticas de Woody e Buzz nas telas das TVs e dos cinemas, foi que é preciso ter carinho e cuidado com os seus brinquedos. Que você pode ser tão importante para eles quanto eles são para você. Essa é a magia da personificação (ou prosopopeia). Aquilo que antes era percebido apenas como um objeto inanimado, sem personalidade ou sentimentos, ganha vida própria. Com essa Leia mais

Telepatia: como escrever personagens que leem mentes

A telepatia é um dos poderes sobrenaturais mais explorados na ficção. Desde a ficção científica até as comédias românticas, essa habilidade paranormal abre caminho para enredos em quase todos os gêneros literários. O diferencial entre a habilidade de ler mentes de um gênero para o outro tende a ser a forma que isso é abordado e como se encaixa no enredo. Em histórias de ação, suspense e/ou espionagem, por exemplo, a telepatia pode ser um fator tático, que facilita ou dificulta a vida do herói. Leia mais

 A forma mais comum de se construir o tempo de uma narrativa é através da linearidade. Segue-se uma ordem cronológica: o passado no passado, que se desenvolve até o presente, o futuro só chega depois ou fica para a imaginação. Nem todo livro precisa ser assim. Você pode publicar ebook que começa do fim e termina no começo, tal qual o filme Amnésia (2001), no qual o protagonista sofre com perda de memória recente e precisa traçar os eventos que o levaram até o presente; Leia mais

Escrevendo comédias românticas no mundo atual

As comédias românticas são um clássico. Extremamente populares entre os anos 90 e 2000, é difícil quem não tenha crescido nessas décadas acompanhado de filmes como 10 Coisas Que Eu Odeio em Você (1999) e Uma Linda Mulher (1990). Agora, estamos virando uma nova página, tanto no cinema quanto na autopublicação de livros. Depois de uma certa queda na produção de comédias românticas por volta da década de 2010, o gênero está em voga mais uma vez com títulos como Para Todos os Garotos Que Leia mais