Como fazer um audiobook? Passo a passo

As estatísticas do mercado editorial já vêm anunciando o boom dos audiobooks há um tempo. Só de 2007 para 2014, a quantidade de audiolivros publicados mundialmente aumentou de 3000 para 40000! E, como explicamos nos artigos Novo mercados de ebooks para editoras e Tendências de ebooks para 2019, tudo indica que esse mercado fique cada vez maior e mais firme. É hora de você, autor independente, aprender a tirar proveito disso.

No começo do mês, falamos sobre a enorme popularidade dos podcasts. É a marca do momento: vivemos em uma época em que as pessoas consomem conteúdo da forma mais simples e prática o possível. Pequenos artigos, vídeos dinâmicos e trilhas de áudio estão em alta.

Assim como o podcast, o audiobook permite que o “leitor” consuma conteúdo onde estiver sem precisar olhar para esse conteúdo. É um ótimo recurso para quem está dirigindo ou andando de ônibus, para pessoas com deficiências visuais ou dificuldades com leitura, para pessoas que querem distrair a cabeça enquanto fazem trabalhos manuais repetitivos e até mesmo para quem quer ouvir uma história antes de dormir. Acessibilidade é a palavra.

A questão em torno do audiobook é que sua criação e autopublicação não é tão simples quanto a de um ebook. Para publicar ebook, basta se cadastrar na Bibliomundi, escrever, editar e publicar. Já o audiolivro exige, no mínimo, que seja feita uma gravação do áudio utilizando equipamento de qualidade em um ambiente silencioso.

Essas etapas adicionais afastam muitos autores independentes da publicação de audiolivros, mas não precisa ser assim. Existem métodos simples para se publicar e distribuir um audiolivro, e nós vamos explicar como. Para nós, da Bibliomundi, a literatura é de todos para todos, sem exceção.

Diferentes formas de fazer um audiobook

Antes de mais nada, é uma boa ideia estudar as suas possibilidades. Você pode seguir uma rota totalmente independente e gravar seu próprio audiobook ou contratar profissionais para o trabalho.

Fazer um audiobook exige, no mínimo:

  • Um narrador
  • Um bom equipamento de gravação
  • Um ambiente totalmente silencioso
  • Um aplicativo de edição de som

Esse é o básico do básico, e cada um desses requisitos deve atingir um nível mínimo de qualidade. Não basta ter um computador com microfone embutido. Tem que ser um microfone de qualidade, que capte o som de forma nítida, sem deixar chiados.

Ao utilizar um ótimo microfone, até os menores ruídos serão captados. Por isso, é necessário que o ambiente, além de silencioso, esteja vedado. Se você optar por gravar em casa, escolha seu cômodo mais silencioso, desligue todos os aparelhos e eletrodomésticos barulhentos (do ventilador até a máquina de lavar), tire qualquer animal doméstico ou criança do cômodo e, por fim, cubra portas e janelas com edredons ou outros tecidos acolchoados.

O conteúdo deverá ser consultado de alguma forma. Ou seja, você precisa do livro para gravar o audiolivro. A dica quanto a isso é sempre usar uma mídia digital, como o arquivo ePUB, pois o ruído das páginas virando também será capturado pelo microfone, e o efeito não é ideal.

Após a gravação, o áudio deve ser editado. Possivelmente você terá que cortar as partes em que errou ou até mesmo fazer edições para melhorar a qualidade do som.

Todas essas etapas podem ser terceirizadas, seja de uma vez só ou por partes. Você pode usar sua própria voz, mas contratar um estúdio de gravação onde você não terá que se preocupar com salas barulhentas ou equipamento de má qualidade. Você também pode fazer tudo em casa e apenas contratar um produtor para editar o áudio e criar o produto final.

Alternativamente, você também pode contratar um narrador freelancer ou uma empresa especializada em audiolivros para fazer todo o trabalho para você.

Algumas dicas para gravar o próprio audiolivro

Se você optou por narrar o próprio audiobook, siga essas dicas religiosamente:

  1. Treine sua dicção. Não é só porque você sabe ler e falar que você também sabe narrar de forma nítida e envolvente. Existem exercícios só para isso no Youtube!
  2. Ouça audiobooks. Nada como aprender com a concorrência, não é mesmo? Baixe alguns audiolivros, ouça-os na íntegra. Preste atenção em como foram narrados, imite os narradores para se habituar. Você pode desenvolver um estilo próprio com o tempo, mas é sempre bom começar aprendendo o básico.
  3. Beba bastante água e preserve sua voz. Narrar audiolivros é muito mais cansativo do que parece. São longas seções em que você falará sem parar. Isso gasta a voz e pode deixar qualquer um rouco. Hidrate-se durante as gravações, mas nunca com água gelada!
  4. Escolha um horário fixo para gravar. A nossa voz muda ao longo do dia, e essas alterações naturais podem afetar a continuidade. Por isso, escolha um horário fixo do dia para gravar. De preferência, um horário em que você não esteja muito cansado.
  5. Antes de gravar, ouça as gravações passadas. Essa prática contribui para a consistência da gravação, pois permite que você analise o tom que utilizou nos capítulos anteriores e “entre na personagem”.
  6. Grave capítulos inteiros por vez. Não grave um capítulo pela metade, muito menos interrompa uma cena. Para que a gravação fique coerente, organize as seções por capítulos. Cada capítulo é um recomeço.

Como publicar audiobook?

Muito bem, você gravou seu audiobook. O que você faz com isso agora? Alguns autores independentes disponibilizam os arquivos de áudio em seus próprios sites, onde também vendem seus ebooks. Outros autores utilizam plataformas de áudio generalizadas, como o próprio Spotify ou redes específicas para podcasts.

E, é claro, você também pode publicar usando plataformas específicas para audiobooks. No Brasil, temos a Ubook, um serviço de assinatura de audiobooks e ebooks por streaming, que também conta com uma plataforma de publicação de audiobooks, o UBX.

No UBX, você pode enviar um arquivo de áudio já pronto, ou você pode contratar um narrador para realizar seu projeto. Caso queira contratar um narrador, basta criar uma oferta para seu livro e receberá propostas dos profissionais cadastrados na plataforma.

Você poderá optar entre dois modelos de negócio: pagamento fixo para o narrador (o valor é negociado por ambas as partes) ou partilha de royalties (autor e narrador recebem parcelas iguais em cima das vendas do livro).

A plataforma também oferece duas formas de distribuição. Na primeira, seu áudio é distribuído exclusivamente nas plataformas Ubook e de empresas parceiras. Neste modelo, o autor fica com 50% dos royalties (que podem ser partilhados com o narrador). No segundo modelo, o autor pode distribuir seu livro em qualquer plataforma, mas ganha somente 30% dos royalties.

E aí, autor? Você já publicou um audiolivro? Compartilhe sua experiência com a comunidade Bibliomundi!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *