Como escrever livros baseados em histórias da sua família

Seja seu objetivo publicar livro de não ficção ou uma história de fantasia, a inspiração pode vir de mais perto do que você imagina. Por exemplo, da vivência da sua família. Às vezes, as pessoas com quem você convive desde criança podem guardar histórias que surpreenderiam até mesmo um escritor.

Nas dicas de autopublicação de hoje, vamos falar sobre como a história da sua família pode ser a base para o seu próximo livro. Basta você ter um espírito curioso e vontade de saber mais sobre as pessoas que vivem ao seu redor.

O que vem à sua cabeça quando você pensa na sua família? Parece tudo uma história comum ou quem sabe tenha algo aí que chame sua atenção? E será que você sabe tudo mesmo sobre seus familiares?

A nossa genealogia pode ser mais interessante do que parece à primeira vista. Numa entrevista com seus familiares, quem sabe você encontra um poema escrito por seu avô? Ou descobre que alguém que sempre foi seu exemplo de comportamento nem sempre agiu dessa forma e teve que aprender com os erros da juventude? A lição é: jamais subestime a história da sua família.

Quando pensamos em escrever sobre nossos familiares, a ideia mais óbvia é escrever uma biografia. O caminho nem sempre é esse, no entanto. De fato, nossas famílias podem ter histórias interessantíssimas, mas nem toda vida rende um livro biográfico. Às vezes, o segredo é focar em um ou outro aspecto dos nossos antepassados, ou em pequenos eventos das suas vidas.

Escavando o passado dos seus parentes, você pode encontrar histórias de migração, de escravidão, de amores sofridos… e até mesmo de assombração! Pode descobrir, inclusive, que algum outro autor já se baseou um livro em um parente seu.

Você pode trabalhar em cima dessas inspirações da maneira que achar melhor. Uma única ideia pode render diversos gêneros:

  • Biografia – a biografia é o gênero mais óbvio quando pensamos em escrever um livro baseado em uma pessoa real. Para escrever uma biografia, você deve escolher um parente específico e juntar todas as informações possíveis sobre a vida dessa pessoa.
  • Livro de contos – o livro de contos também funciona muito bem quando você busca inspiração em pessoas que conhece pessoalmente. Conversando com seus familiares, você pode descobrir histórias interessantes e contar cada uma delas com suas palavras.
  • Livro de não ficção – existem diversas formas da não ficção que podem se inspirar na vida da sua família. Por exemplo, você pode fazer um livro sobre a genealogia da sua família no qual você inclui suas reflexões pessoais e/ou sociológicas sobre essa trajetória familiar. Um aspecto interessante de se analisar é a evolução socioeconômica da sua família.
  • Livro de poesias – as vivências dos seus familiares podem ser traduzidas em poesia. Sejam histórias tristes ou felizes, de amor ou tragédia, você pode homenagear todos esses momentos ao escrever poesia.
  • Livro infantil – quem disse que sua inspiração só pode vir dos antepassados? Quem convive com crianças sabe que todos os dias elas surpreendem com seu jeitinho único de enxergar o mundo. Quer inspiração maior do que essa para aprender a escrever livros infantis? O rapper Emicida, por exemplo, escreveu o livro Amoras baseado em uma conversa que teve com sua filha mais velha.
  • Ficção histórica – os romances históricos são um gênero que mistura uma pitada de realidade com outra de imaginação. Você pode escrever uma história que se passa no século passado, inspirada nos elementos mais interessantes da juventude dos seus avós e preenchendo o resto com ficção.
  • Histórias de fantasia, terror e ficção científica – não existem limites quando se trata de como um escritor deve usar sua inspiração. Você pode se basear na personalidade de alguém da sua família ou, quem sabe, em algum evento muito estranho que ocorreu na sua vida, e traduzir isso em uma história fantástica. O uso de alegorias também é muito bem-vindo.

O povo brasileiro tem uma história impressionante. Cada um de nós carrega em si vivências marcantes. Somos um povo diverso, com culturas únicas para cada região. Temos a nossa beleza e também o nosso sofrimento, ambos merecem ser lembrados.

Podemos escrever sobre nossas famílias para falar de como lutaram para superar a opressão. Ou podemos falar sobre nossas famílias simplesmente porque achamos que são histórias engraçadas, divertidas, leves. Podemos falar sobre nossas famílias porque os amamos… e também porque guardamos ressentimentos de familiares que não nos trataram com o respeito que merecemos. Todas as histórias são válidas.

Você pode publicar ebook usando o nome real de seus familiares, desde que eles estejam de acordo. Você também pode optar escrever como se estivesse falando de personagens que em nada tem a ver com a vida real. Você pode, inclusive, transformar toda a sua família em bichos falantes.

Faça o que achar melhor. O que importa é escrever.

E aí, autor? Já encontrou inspiração na sua família hoje?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *