7 Dicas infalíveis para pesquisar a história do seu livro

Todo autor precisa passar por essa “provação” antes de publicar livro: aprender a pesquisar para desenvolver o seu enredo. Não importa qual seja o gênero da publicação, toda história precisa de uma boa pesquisa.

A ficção é embasada na verossimilhança, o seu livro precisa fazer sentido para o leitor se imergir na trama. Se a sua imaginação são os “tijolos”, a pesquisa é o “cimento” que torna a construção da ficção realmente sólida.

Por essas e outras, saber pesquisar é uma qualidade considerada quase inata aos escritores. Mas, assim como qualquer outra habilidade, ela precisa ser cultivada aos poucos. Ninguém nasce sabendo pesquisar e até mesmo alguns autores já publicados podem pecar na pesquisa.

Por isso, nas dicas de autopublicação de hoje, vamos ensinar a você sete estratégias para tornar a sua pesquisa muito mais eficaz.

1.     Planeje sua pesquisa

Não é só o enredo que pode se beneficiar de um bom planejamento prévio, a pesquisa também. Inclusive, existem matérias acadêmicas voltadas exclusivamente para o planejamento de pesquisas.

O objetivo aqui é tornar o seu processo de pesquisa muito mais rápido e preciso. Pense em quais os principais tópicos que você precisa pesquisar. Pense em quanto tempo você precisa para levantar as informações necessárias de forma satisfatória. Anote.

Agora você já tem o escopo e o prazo da sua pesquisa. Hora de pesquisar. Não saia do foco, não perca o prazo. Quando chegar a data limite da sua pesquisa, é hora de começar a escrever.

Ao estabelecer um plano para a sua pesquisa, você evita se distrair com informações interessantes, mas que não são em nada úteis para o seu livro, e prolongar a pesquisa por mais tempo do que é necessário.

2.     Não seja perfeccionista demais

Ah, o perfeccionismo. Desse mal, muitos escritores sofrem. Ser exigente pode nos levar a alcançar um alto nível de qualidade, mas com frequência também nos impede de concluir tarefas e seguir em frente.

Esse tópico em muito se relaciona com o item anterior. Às vezes, a pessoa perfeccionista se perde em tarefas pouco importantes porque quer fazer tudo com perfeição. Por exemplo, pesquisando sobre assuntos que não vão adicionar muito ao livro. Saber identificar o que é irrelevante é essencial.

Na hora de escrever o livro, o perfeccionismo também pode atrapalhar. Por exemplo, ao fazer uma pesquisa intensa e abrangente sobre o tema, o autor pode sentir a necessidade de incluir informações até nos mínimos detalhes, tornando o texto altamente complexo e informativo. Parece bom, né? Só que não é.

A ficção deve envolver o leitor com a narrativa. Uma obra de ficção não tem a função de ser minuciosamente informativa. Isso distrai o leitor do principal objetivo do livro e torna a leitura cansativa.

O objetivo da pesquisa é, em geral, permitir que a ambientação da história seja verossímil. Que a sensação de ler aquele livro seja genuína, natural. Que os detalhes não estejam errados em um nível que ofende o intelecto do leitor. É possível fazer tudo isso sem enfiar parágrafos informativos no meio do texto.

Um bom livro é quase sempre como um iceberg. Na superfície, está o texto. E, submerso, está todo o trabalho de pesquisa, planejamento e desenvolvimento de personagens que permitiu que o enredo existisse com sua riqueza. Sem essa pesquisa, seu livro se torna apenas um cubinho de gelo.

Se sua pesquisa for muito interessante e você tiver várias curiosidades que deseja compartilhar com os leitores, você pode publicar ebook extra ou um capítulo de notas do autor. Assim, os seus leitores terão a opção de ler essas informações sem que isso interfira na sua narrativa.

3.     Não pesquise ENQUANTO escreve

Outro problema, também relacionado ao perfeccionismo, mas que merece um tópico só para si, é a mania de interromper a escrita para pesquisar.

Você está escrevendo seu livro e, de repente, surge uma dúvida. Uma pedra no meio do caminho. E, em vez de passar por cima e seguir em frente, você para tudo o que está fazendo e vai pesquisar. Entra no Google, lê isso… quando vê está lendo aquilo… e pronto, sua sessão de escrita foi para o espaço.

Dos mesmos criadores de “vou editar enquanto escrevo”, está o “vou pesquisar enquanto escrevo”. Não faça isso.

Pesquise antes e/ou depois de escrever. Se você já começou a escrever seu livro, então vá até o fim. Termine todo o rascunho e só então pesquise os pontos problemáticos, nos quais você se sentiu confuso ou travado.

As informações que você levantar podem ser inseridas no livro durante a etapa de edição, na qual você identificará os problemas da sua narrativa e reescreverá o que for necessário. Não pule etapas.

Dica extra: Quer garantir que não vai pesquisar enquanto escreve? Desligue a internet. Você não vai precisar dela mesmo.

4.     Faça marcações quando tiver dúvidas

Okay. Você pode estar pensando: “Mas e o que eu faço quando surgir uma dúvida? Só ignoro?”. A solução é bem simples, na verdade. Deixe uma nota para pesquisar depois e continue escrevendo.

Surgiu uma dúvida? Deixe uma nota. Você acha que essa cena poderia ficar melhor com informações mais detalhadas? Deixe uma nota. Para qualquer necessidade de pesquisa, deixe uma nota.

Para identificar essas notas depois, temos algumas recomendações. Você pode digitar “TK” no texto ou em uma anotação (no modo de revisão do documento). Assim, quando for editar, é só buscar pelo termo “TK”. Por que “TK” especificamente? Simplesmente porque não tem muitas siglas ou palavras com essa combinação de letras, o que facilita na hora de pesquisar.

Outra ideia é marcar em vermelho os trechos que você deseja revisitar. Essa cor é como um sinal visual de “PARE”. Basta bater o olho e você saberá que tem algo errado ali.

5.     Organize os resultados da sua pesquisa

Imagine este cenário: você está pesquisando para o seu livro. Encontra diversas fontes, lê vários livros, acessa vários sites. Seu cérebro analisou uma quantidade enorme de informação.

O que você faz com tudo isso depois? E como você vai fazer para consultar esses dados quando precisar?

O primeiro passo óbvio é salvar essas fontes. No entanto, o problema não se resolve só aí. Você agora tem uma lista imensa de sites favoritados e/ou de arquivos salvos aleatoriamente. Como identificar o que é o quê? Como filtrar por relevância?

Por isso é fundamental organizar os resultados da sua pesquisa. Crie uma pasta para sua pesquisa. Crie pastas dentro dessa pasta se necessário, separe por tópicos. Dê um nome para cada arquivo e/ou link de modo que você possa identificá-los facilmente.

Leu um texto e/ou livro longo sobre o tema? Marque as passagens mais importantes. Faça anotações. Salve essas passagens e anotações na sua pasta de pesquisa de modo que você possa acessá-las com facilidade.

Conversou com pessoas que entendem o tema a fundo? Visitou um lugar que inspirou sua história? Documente tudo isso. Grave vídeos, tire fotos, transcreva as conversas e anote tudo o que for relevante.

Parece trabalhoso fazer tudo isso? Pense em como isso vai facilitar sua vida depois. Seu eu futuro agradece.

6.     “Terceirize” sua pesquisa

Pesquisar não é fácil e é normal se sentir perdido, sem saber por onde começar. O bom é que provavelmente existem pessoas muito mais preparadas e informadas do que você para ajudar.

Seja qual for o tema do seu livro, há uma chance de que já exista um especialista na área a quem você pode consultar. Pode ser um professor universitário, pode ser até mesmo outro autor. Às vezes é só uma pessoa com a vivência necessária.

Peça gentilmente pela ajuda e é possível que essa pessoa esteja disposta a ajudar! Isso pode não só poupar seu tempo como permitir acesso a informações muito mais precisas do que você encontraria sozinho.

Dependendo do tema do seu livro e do quão intensa é a pesquisa que você precisa realizar, pode ser o caso de contratar uma consultoria. Nem sempre precisa ser um especialista com um currículo incrível. Uma pessoa conectada à àrea e com boa disponibilidade já pode ajudar muito.

Lembre-se, é claro, de contratar com sabedoria. Peça indicações, faça uma entrevista, analise os candidatos para ver se eles são o que você precisa no momento.

7.     Faça proveito da sua pesquisa!

Pronto. Você planejou, pesquisou, escreveu sem interrupções e deixou anotadinho tudo o que precisava consultar. Sua pesquisa está bonita, organizada, com tudo o que você precisa para escrever.

É hora de consultar! Encontre os trechos onde tinha dúvidas, consulte suas anotações, reescreva o que for necessário e lembre-se de informar com moderação. Seus leitores agradecem.

E aí, autor? Tem alguma técnica que você sempre usa na hora de pesquisar para escrever seus livros?

Se você gostou deste artigo, dê uma olhada em Por que é importante pesquisar antes de escrever um livro.

2 Comentários


  1. Obrigado.
    Eu precisava mesmo de um norte para uma pesquisa enorme sobre a história do meu avô que teve uma vida que é um roteiro.
    Adoro pesquisar e somar cultura inútil a acabo me perdendo.
    Relacionar os tópicos e estabelecer prazos para cada tópico me parece factível.
    Já publiquei 3 livros de contos/ crônicas. (mais um em fase de revisão); dois infantis e ainda um Manual do escritor.
    Uma história longa, para mim, é um desafio a ser vencido. Quem sabe com essas dicas?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *