5 Dicas para engajar seus leitores com interações online

O espaço online cada vez mais se mostra uma peça-chave na hora de conectar o livro ao público, especialmente quando se trata de autores independentes.

Para começo de conversa, publicar ebook é sem dúvidas a forma mais prática de autopublicação. Mas, indo além, a internet permite que o autor, de fato, engaje os leitores. Não se trata apenas de vender seu livro em um e-commerce, mas de entrar em contato direto com os leitores e criar uma relação de confiança entre você e seu público.

Em um cenário mais gentil, que não é o que estamos vivendo durante uma pandemia, o autor encontra formas alternativas de se encontrar com leitores. Eventos literários, feiras, grupos de leitura, sessões de autógrafo, oficinas… existem diversas possibilidades de você se apresentar em pessoa para o público, e são todas excelentes.

Mas o que fazer quando a conexão cara a cara não é possível? Usar a internet ao máximo, é claro. Se até mesmo aulas podem ser oferecidas online, por que não eventos?

Autores independentes podem se juntar para realizar eventos grandes, como feiras literárias online, e também podem agir de forma individual. Por exemplo, organizando lives e workshops.

Hoje, vamos oferecer sete dicas para você marcar seus leitores com sua presença digital, criando conexões através das redes sociais.

1.     Defina qual perfil você deseja adotar online

Se você tem objetivos profissionais, você deve pensar de forma profissional. O que você deseja oferecer aos seus leitores através das redes sociais? Que tipo de identidade você deseja estabelecer?

É disso que estamos falando quando sugerimos que você defina o seu “perfil”. Não é apenas sobre criar uma conta no Instagram, uma página no Facebook.

Algumas possibilidades são:

  • Perfil criativo – voltado para a publicação de seus conteúdos criativos, com poesias ou trechos das suas obras de ficção. Se sua obra também tem ilustrações, melhor ainda.
  • Perfil informativo – para autores de não ficção, pode ser um espaço para abordar os temas sobre os quais escreve.
  • Perfil metaliterário – um perfil onde você escreve sobre o ato de escrever, contando sobre suas experiências escrevendo livros, ou quem sabe até mesmo lendo outros livros do gênero que escreve.

Leitores podem se interessar pelos mais diversos tipos de conteúdo. Um ilustrador, por exemplo, pode postar ilustrações de seus personagens originais e contar um pouquinho de sua personalidade e história.

Você também pode misturar um pouco essas diferentes personas, mas sempre tendo em mente algum tema ou nicho específico que possa interessar seu público-alvo.

Um dos riscos de não ter um perfil bem definido nas redes sociais é o engajamento vazio.

Por exemplo, se você é um autor de livros de ficção, o seu objetivo deve ser atrair leitores de ficção para o seu perfil. Uma publicação com um sorteio de celular pode até atrair seguidores e curtidas para o seu perfil, mas não atrairá leitores. São duas coisas bem diferentes, pois os interesses de cada grupo diferem.

Portanto, não adianta você seguir tendências e fazer conteúdos que atraem seguidores se esses conteúdos não estiverem relacionados ao tema dos seus livros, okay?

2.     Organize uma agenda de publicações

Uma exigência para se ter uma presença virtual forte é a consistência. Os algoritmos das redes sociais valorizam contas ativas, com atualizações diárias. Por isso, é recomendável você se organizar para criar conteúdos regularmente. Ter uma rotina organizada é sempre uma boa ideia, tanto para escrever livros, quanto para criar conteúdos.

Montar antecipadamente o seu calendário de publicações também é recomendável, para que nos dias em que você estiver sem ideias ou não tiver tempo para preparar conteúdo novo, você já tenha algo pronto ou semi-pronto para publicar.

3.     Faça publicações interativas

O retorno dos seguidores em interações é o que impulsiona as redes sociais: se você conseguir fazer com que os leitores comentem, salvem e compartilhem seus conteúdos, tudo isso será ainda mais potente do que uma simples curtida.

Por isso, é interessante que você crie conteúdos pensando em ativar respostas dos leitores. Faça perguntas. Tire dúvidas também.

Para autores que seguem uma linha mais criativa nas redes sociais, você pode tornar a experiência de criação um pouco mais interativa. Por exemplo, pode postar um trechinho da sua história e perguntar aos leitores o que acontecerá a seguir.

Se você é adepto a ceder um pouquinho do seu controle criativo ao público, pode ter resultados bem divertidos, criando uma historinha interativa com seus seguidores. Caso contrário, não tem problema. Você pode apenas fazer com que os leitores tentem adivinhar o que vai acontecer em seguida, sem que eles tenham poder de decisão.

Mas atenção, tenha sempre o cuidado de não enganar seus leitores. Se for apenas para adivinhar o que vai acontecer, deixe bem claro. Use as palavras certas, e seus leitores ficarão felizes com o resultado.

Dica: esse tipo de interação não precisa ficar sempre nas publicações do Feed de notícias. Você pode usar as enquetes e caixinhas de perguntas que ficam disponíveis nos stories também! Depois todo esse conteúdo pode ser salvo nos Destaques, para que possa ser acessado após as primeiras 24h.

4.     Poste conteúdo relevante

O que torna um conteúdo relevante? Para começo de conversa, o quanto ele adiciona ao tema que você segue no seu perfil.

Como já falamos, muito mais do que apenas curtidas, o Instagram também quer ver os seguidores salvando e compartilhando seu conteúdo.

Quando alguém salva uma publicação, significa que essa pessoa quer ter facilidade para ver essa publicação novamente. Geralmente, isso significa que a sua publicação é uma boa referência para a pessoa.

Um compartilhamento, por sua vez, significa que a pessoa acha que o mundo todo (ou seu círculo de amigos) deveria ver o conteúdo que você criou. Pode ser porque o conteúdo é muito divertido, porque é bonito, porque é interessante, porque é útil.

Um seguidor em sua conta pessoal pode ter interesses bem diversos, ele pode gostar de publicações de comédia e publicações informativas ao mesmo tempo. Você como um criador de conteúdo precisa ser um pouco mais específico, mas também não precisa se fechar em uma caixinha que não permita reinvenções.

Uma forte tendência no Instagram são os vídeos, no formato Reels ou IGTV. Mesmo que você trabalhe escrevendo, pode ser uma boa tentar adaptar esse conteúdo para vídeo, tendo sempre o cuidado de se ater ao tema do seu perfil para não cair no engajamento vazio.

Você pode fazer um meme sobre a sua experiência como escritor. Você pode fazer um vídeo explicando o seu processo criativo, falando sobre o seu novo livro. Você pode criar conteúdos informativos e úteis, que oferecem uma palinha dos temas que você aborda a fundo nos seus livros de não ficção.

5.     Organize eventos interativos

E, por fim, a internet não precisa sempre funcionar na base de publicações, que você posta primeiro para o seguidor responder depois. Por que ficar sempre nesse sistema quando você pode organizar eventos com interações ao vivo?

O tipo de evento mais comum são as lives, que podem ser realizadas por qualquer pessoa. Avise aos seus leitores com antecedência, deixe uma caixinha de perguntas nos stories para levantar tópicos e dúvidas a serem respondidas, divulgue bastante com antecedência para que o comparecimento seja alto.

É interessante que você determine algum tipo de tema para a live também, para que não chegue a hora H e você fique sem saber o que fazer. Um tema ajuda a despertar o interesse dos seguidores também, mesmo que o tema seja simplesmente “perguntas e respostas”. É claro que, quanto mais relevante for o tema, maiores as chances da live ser um sucesso.

Outra possibilidade são workshops e aulas. Se você tem algo a ensinar aos seus seguidores, por que não investir nisso?

Enquanto as publicações são um conteúdo estático, que fica ali apenas para ser consultado, essas aulas e workshops são interativas, permitindo que os alunos tirem dúvidas em tempo real e tenham uma conexão mais verdadeira com o tutor. Inclusive, você também pode aprender muito com essa experiência.

Em relação à monetização, tudo isso depende de você. Oferecer conteúdos gratuitos pode ser uma boa estratégia de marketing, como uma amostra grátis que prova a qualidade do seu produto ou serviço, fidelizando clientes no futuro.

Contudo, sempre cabe a você identificar de onde sairá seu lucro. É preciso que haja uma linha que diferencie as amostras grátis do produto de venda, caso contrário o que era para ser uma estratégia de marketing pode se tornar apenas um desperdício.

Para alguns perfis nas redes sociais, o lucro pode vir da própria profissão “influenciador”, conseguindo anúncios no Youtube e parcerias pagas com marcas no Instagram.

Talvez para você esse não seja o caminho. Nesse caso, suas redes sociais devem direcionar o seguidor para uma etapa final de consumo. Por exemplo, comprando livros ou contratando seu serviço (ex.: aulas, workshops, ghostwriting).

Não adianta nada oferecer tudo gratuitamente como estratégia de marketing se não houver nada com o que você possa lucrar no final. Saiba identificar qual o limite entre o que você pode oferecer de graça e o que deve ser cobrado. Caso contrário, suas redes sociais serão apenas um hobby sem fins lucrativos.

E aí, autores? Gostaram das dicas de hoje? Compartilhem com a gente algumas estratégias que vocês usam para engajar seus leitores depois de publicar livro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *