Por que você deveria contratar um editor

A autopublicação é um caminho igualitário para que todas as pessoas tenham a oportunidade de se expressar por meio da escrita. No entanto, ao lançar seu trabalho no mundo, ele estará lado a lado com outras publicações, e muitas delas contarão com todo o apoio editorial possível.

Em termos simples, se você deseja que sua obra seja profissional, você deve trabalhar com profissionais. E, embora você possa ser o melhor escritor do mundo, são duas tarefas diferentes, e dificilmente alguém é capaz de editar a própria escrita de forma imparcial.

Não estamos falando de recorrer a editoras, mas de buscar alguém especializado para preparar seu livro para o mundo. Antes de mais nada, vamos entender melhor quem é esse alguém e o que pode fazer por você.

O que é um editor?

Quando falamos de editor, nos referimos ao conceito de revisar e preparar um texto para a publicação. Outro nome para essa profissão seria copy editor, aquele responsável por fazer copidesque (copydesk), ou preparador de originais.

Segundo a edição de 2009 do dicionário Houaiss, copidesque pode ser considerada a “revisão de texto a ser publicado, tendo em vista a correção ortográfica e gramatical, a clareza, a adequação às normas editoriais, os cortes para se obter a extensão devida etc.; copy”.

Embora falemos de “revisão”, a profissão “revisor de textos”, em geral, se refere ao ato de buscar problemas na reta final da publicação, sem preocupações com a qualidade do texto em si.  Nessa etapa, o livro ou ebook se encontra no formato final, epub ou impresso.

É possível e ate provável que você encontre profissionais que façam tanto copidesque quanto revisão, mas não confunda os serviços. Saber o que você precisa e pelo que você está pagando é essencial para não jogar dinheiro fora.

O que um editor pode fazer por você

Podemos usar diversas metáforas para ilustrar a importância de um editor. Por exemplo, o seu livro é uma jóia bruta, que acabou de ser extraída. A função do editor é polir e esculpí-la até que seja comercializável.

Pode-se dizer também que o seu livro é uma casa construída do zero. O editor é equivalente ao arquiteto, o profissional com o know-how técnico para fazer que o projeto dê certo. A casa é sua, as ideias também, mas você não sabe exatamente como evitar que ela tenha goteiras ou como garantir uma circulação de ar saudável.

Acreditamos na sua capacidade, e é exatamente por isso que vale a pena investir no seu livro. Um editor adequado é capaz de torná-lo o melhor possível, consolidando o potencial já existente.

Quanto aos detalhes técnicos, o editor é responsável por buscar erros gramaticais e ortográficos, apontar e resolver inconsistências, problemas de coesão, coerência, estrutura. Em resumo, fazem o possível para tornar seu texto mais “correto” e fluente.

Onde encontrar

Não é qualquer editor que salvará sua vida. O ideal é encontrar um profissional experiente e que trabalhe bem com você. Um dos principais problemas na relação entre escritores e editores é a ocasional incompatibilidade de estilos. Às vezes, você simplesmente não se dá bem com um editor e vice-versa.

Quando acontecem essas divergências, é comum que as alterações do revisor sejam consideradas invasivas, sem respeito pela voz do autor. Isso pode ser resultado de gostos e modelos de trabalho incompatíveis, ou da inexperiência do editor, que ainda não aprendeu a moldar suas alterações de acordo com as características individuais do autor.

Por isso, a melhor maneira de contratar um editor é buscando referências de seu trabalho. Se você tem contato com outros escritores ou profissionais da área, peça recomendações. Caso isso não seja possível, você pode entrar em contato com grupos e comunidades de autores ou do setor editorial.

É possível que os profissionais tenham algum tipo de portfólio disponível, mas lembre-se de que publicações tradicionais muitas vezes já tem uma equipe editorial fechada, que provavelmente não será acessível para você. Não espere contratar um editor responsável por diversos best sellers.

Após encontrar editores, tente conhecê-los melhor antes de fechar o serviço completo. Pergunte sobre o modelo de trabalho e pagamento, veja se há espaço para comunicação. O trabalho entre editor e autor deve ser em equipe. Caso vocês não se compreendam nos primeiros contatos, é possível que haja incompatibilidade.

Se você ainda não se sente seguro em colocar todo o seu ebook nas mãos desse editor, experimente contratá-lo apenas para os primeiros capítulos e observe a dinâmica e os resultados. Tudo ocorrendo bem, você poderá contratá-lo para editar o resto do livro. Caso contrário, ainda terá tempo de procurar outro.

Leitor beta – seu aliado voluntário

Existem algumas alternativas interessantes, que não substituem um editor profissional, mas podem ajudar a melhorar a qualidade de seu ebook. Uma delas é o leitor beta, um voluntário responsável por fazer uma leitura crítica de seu livro.

Leitores beta são, em geral, entusiastas da literatura que aceitam ler livros ou capítulos antes da publicação e oferecer feedback. Como essa atividade é voluntária, não existem muitas regras específicas. O seu beta pode ser qualificado ou leigo, trazer críticas detalhadas ou curtas.

No entanto, é recomendável que a relação entre você e seu leitor beta seja bem definida de acordo com suas necessidades e o que pode ser oferecido. Se você tem um cronograma pré-definido para a publicação de seu livro, não poder contar com um prazo para receber o feedback de seu beta seria um problema.

A presença de leitores beta é proeminente em comunidades de escrita independente, por exemplo, lugares onde escritores amadores publicam fanfiction. Isto é, obras de ficção independentes baseadas em histórias reais ou de outros autores.

50 Tons de Cinza, o bestseller erótico de Erika Leonard James, foi criado originalmente como fanfiction de Crepúsculo, romance de sucesso da literatura jovem adulta escrito por Stephenie Meyer.

Como nesses ambientes todos os textos publicados são amadores, a fim de melhorar a qualidade, muitas pessoas se voluntariam como leitores beta e atuam de forma semelhante a um editor. O resultado são comunidades autônomas enriquecidas pela colaboração.

O site Nyah! Fanfiction oferece uma estrutura organizada de leitores beta, com regras, processo seletivo e respostas para dúvidas frequentes. Para muitos jovens escritores, esse pode ser o primeiro contato com relações entre autor e mundo.

Mesmo que o seu objetivo não seja publicar obras amadoras, é interessante buscar em comunidades organizadas de autores a fim de encontrar leitores beta ou um parceiro crítico, que acompanhe e auxilie durante todo o processo criativo de seu livro.

Editor – contratar ou não?

Recomendações a parte, a decisão cabe a ninguém mais do que você. Sim, bons editores tornarão seu livro mais profissional. Sim, isso pode e deve ajudar nas vendas. Mas não deixa de ser um investimento financeiro, o que pode não ser viável no momento.

É possível fazer a autoedição do seu livro ou contar com a ajuda de colaboradores voluntários, como o próprio leitor beta. Essas alternativas podem não substituir por completo o trabalho de um profissional, mas com dedicação e autocrítica, você é capaz de publicar um ótimo ebook.

1 Comentário

  1. murilo carneiro pereira

    Solicito informação completa, detalhada para edição de livro em papel e e-bbook,
    favor informar preços, condições de pagamento e prazo para edição de livro de 300 paginas
    com tiragem minima.
    Grato

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *